100 Degrees of Brazil

100 days project

DAY 40. Roberto Araújo

2699760872_cccd93bfe4_z

Journalist.

__________________ 

English:

He is 61 years old, journalist, writer, he was born in Araçatuba, in the interior of São Paulo, Brazil, and he is the editorial director of Editora Europa (Europa Publisher).

__________________ 

What is your impression about a brand called Brazil?

The “Brazil brand” is experiencing a crisis of identity. The ancient references as samba, carnival and football no longer serve, and a new brand is still something disperse that was not synthesized in a word, symbol or person. Brazilians themselves cannot say how they would like to be seen abroad.

To me, for example, the major signs of Brazil, that are broadcast internationally, don’t serve. I know nothing about football. I think this sport tedious and uninteresting. I do not hear samba, I never learned this dance and no one in my family is interested in this rhythm. Likewise, Carnival is a party I do not attend.

Yes, the photos and the videos seem to show that all Brazilians are interested in these things. However, just examine the issue more closely to notice that a minimum percentage of the population cares about these signs.

Even football, that excites humbler social classes, is far from being unanimous, contrary to what the Brazilian government wants you to believe, which capitalizes politically the next World Cup and the indebted Brazilian media hopeful to receive many advertisements.

Perhaps the biggest mark that we Brazilians left anywhere we go in the world is the noise. Yes, we talk loud, very loud. We practically scream at any fine restaurant in New York or Paris. We are also daring, we enter anywhere. We are absolutely sure that the world is ours and there are practically no touristic points anywhere on the planet that we are not there, marking our presence, literally, in the cry. We have very strong historical reasons for running for all countries and feel comfortable in any of them.

The cause is simple: we have relatives who came from all over the planet. This may cause the biggest “Brazil brand” to be the miscegenation. We are assembling here a tolerant and multiracial society that has shown a remarkable cultural vitality.

Geneticists point out that, the more you mix genetically, more creative, long-living and healthy are the children of strange mixtures like Asians with blacks or Arabs, Caucasians with Indians and so on. But it is exactly the miscegenation that makes the big difference of Brazil in relation to any country in the world.

It may seem claim to say that Brazil will surpass the United States, the European Community and even China. But that’s what will happen. More than an economic issue, it is a matter of the genetic and cultural history of mankind. Brazil is experiencing a unique moment of universal history by gathering, in a peaceful and respectful way, representatives of practically all people and ethnic groups in the world. In other places, with much less ethnic representatives, there are wars, bombings, hatred manifested in many different orders.

The United States was formed mostly by the British, who immigrated to this country carrying, and maintaining over time, the technology, the religion and transmitted to their descendants the same genetic codes they brought from England. Mixing with Indians, Africans or Spanish who came next was quite low, so that even today these groups are clearly identified in the American society.

The European Community is a tired society, full of old, willing to fight for cultural crumbs. Everything is ready there for a long time. Castles, roads, ports and everything else. There is little to do that can be meaningful. Unless ensure the comfort of the citizens, which is the great social claim. Since almost nobody wants to work, crises succeed. Tiny countries like Belgium are at risk of fragmentation by not supporting minimal cultural differences. Each of the groups lives, in their own way, the unwillingness of new genetic combinations.

China is a regrettable genetic poverty. It may seem funny, but there is only Chinese. They only marry among themselves. There are no migration flows into the china, just out and during the periods of greatest economic shortage.

Consider the genetic picture of Brazil: the Portuguese came, who procreated with Indian women, then they mixed with the Africans, with the waves of Dutch in the northeast of Brazil, with the Germans in the South, with the Japanese in the South-East, with the Arabs who rode everywhere, and so on.

The big difference from Brazil compared to other countries is that Brazilian culture accepts, almost without resistance, marriages between representatives of any ethnicity. Except perhaps for Jews, or other small groups, which have strict and specific procedures to weddings. A good example may be the Japanese. Almost all of the immigrants’ descendants, in no more than three generations, do not speak the Japanese language and are accepted for romantic weddings (free choice) with descendants of any other ethnicity.

The detail is that there is no Brazilian type. No Brazilian can define how the “Brazilian” is, simply because he has not been formed yet.

Miscegenation keeps happening with this young people, sexually vigorous, having children and debugging the various ethnicities in the unconscious pursuit of the Brazilian man and woman.

This phenomenon of miscegenation is unique in the world. The other members of the BRICS, such as Russia, India and China, do not suffer from this phenomenon, with their clearly defined ethnic groups. Still comparing with those countries where social groups quarrel frequently, in Brazil there are no political armed conflicts or separatist groups. There is a single language, Portuguese, with no dialects, spoken from North to South, with few differences in accent.

To complete the phenomenon, Brazil has a continental extension, in which everything is large and there is room for all. Cultivable area, plenty of water (the huge Guarani Aquifer lies mostly in Brazil) and rare natural disasters.

If all this seems a huge advantage, the present moment is marked by bad public policies with a gigantic state and economic management often confused or malicious. Not to mention corruption and countless other evils in which perhaps the most serious is the lack of interest of the population to participate more actively in political life, letting small groups of activists make noise and act as they effectively represent the Brazilian population.

But it is, always and only, the heat of politics.

There is a lot to do. Can be in infrastructure, industry, services, construction, landscaping…Brazil needs and accepts capital from all over the world to do all kinds of work.

Do you want to buy an international airport? Brazil has it to sell. Explore minerals? Choose between iron, bauxite and manganese. Build a network of restaurants? Food courts in shopping malls proliferate throughout the Brazil.

The “Brazil brand” has barely begun to show its strength. The Brazilian education is still weak and there is too much to be done. All this, in a few generations, will certainly be reason for experts’ studies to see the path that the great nation of the southern hemisphere traced before making Portuguese the great universal language, the dominant culture, the agriculture that will feed the world and a powerful industry in which any economic issue on the São Paulo Stock Exchange will let Chinese, Europeans and North Americans terrified.

Until that happens, the Brazilian runs all over the world, screaming, indifferent to local habits, laughing and pointing out that it is good the world to pay attention in this great country that has barely begun its history.

 __________________ 

– português

Sobre Roberto Araújo:

61 anos, jornalista, escritor, brasileiro nascido em Araçatuba, no interior de São Paulo, diretor editorial da Editora Europa.

__________________ 

Qual é a sua impressão de uma marca chamada Brasil?

A marca Brasil vive uma crise de identidade. As antigas referências, como samba, carnaval e futebol, não servem mais e uma nova marca ainda é algo disperso que não foi sintetizado em uma palavra, símbolo ou pessoa. Os próprios brasileiros não sabem dizer como gostariam de ser vistos no exterior.

A mim, por exemplo, não servem os grandes signos do Brasil difundidos internacionalmente. Nada sei de futebol. Acho esse esporte tedioso e desinteressante. Não ouço samba, jamais aprendi essa dança e ninguém na minha família se interessa pelo ritmo. Da mesmo maneira, carnaval é uma festa que não frequento.

Sim, as fotos e os vídeos parecem revelar que todos os brasileiros estamos interessados nessas coisas. Basta, porém, examinar a questão mais de perto para notar que é uma porcentagem mínima da população que se importa com esses signos.

Mesmo o futebol que empolga as classes sociais mais humildes, está longe de ser uma unanimidade, ao contrário do que pretende fazer crer o governo brasileiro, que capitaliza politicamente a próxima a Copa do Mundo e a endividada mídia brasileira esperançosa de receber muitos anúncios publicitários.

Talvez a maior marca que nós brasileiros deixamos em qualquer lugar do mundo no qual a gente vá seja o barulho. Sim, conversamos alto, muito alto. Praticamente gritamos em qualquer restaurante refinado de Nova York ou Paris. Somos também atrevidos, entramos em qualquer lugar. Temos certeza absoluta que o mundo é nosso e praticamente não há pontos turísticos em qualquer lugar do planeta que não estejamos por lá, marcando nossa presença, literalmente, no grito. Temos razões históricas fortíssimas para rodar por todos os países e nos sentirmos à vontade em qualquer um deles.

A causa é simples: temos parentes que vieram de todos os lugares do planeta. Isso pode fazer com que a grande marca do Brasil seja a miscigenação. Estamos montando aqui uma sociedade tolerante e multirracial que tem demonstrado uma vitalidade cultural extraordinária.

Os geneticistas apontam que, quando mais rica for a combinação genética, mais saudável, criativo e longevo são os filhos de estranhas misturas como asiáticos com negros ou árabes, caucasianos com índios e por aí vai. Mas é exatamente a miscigenação que faz a grande diferença do Brasil em relação a qualquer país do mundo.

Pode parecer pretensão dizer que o Brasil vai superar os Estados Unidos, a Comunidade Europeia e até a China. Mas é isso que vai acontecer. Mais que uma questão econômica, é uma questão da história genética e cultural da humanidade. O Brasil vive um momento único da história universal por reunir de forma pacífica e respeitosa representantes de praticamente todos os povos e etnias do mundo. Em outros locais, com bem menos representantes étnicos, existem guerras, atentados, ódios que se manifestam das mais diferentes ordens.

Os Estados Unidos foram formados majoritariamente pelos ingleses, que imigraram para este país levando consigo, e mantendo ao longo do tempo, a tecnologia, a religião e transmitiram a seus descendentes os mesmos códigos genéticos que trouxeram da Inglaterra. A miscigenação com índios, negros ou espanhóis que vieram em seguida foi bastante reduzida, de tal forma que ainda hoje estes grupos são claramente identificados na sociedade americana.

A Comunidade Europeia é uma sociedade cansada, repleta de velhos, disposta a lutar por migalhas culturais. Tudo está pronto por lá há muito tempo. Castelos, estradas, portos e tudo o mais. Pouco há para fazer que seja significativo. A não ser garantir o conforto dos cidadãos, que é a grande reinvindicação social. Como quase ninguém quer trabalhar, as crises se sucedem. Diminutos países como a Bélgica correm o risco de fragmentação por não suportarem diferenças culturais mínimas. Cada um dos grupos vive, à sua maneira, a indisposição de novas combinações genéticas.

A China é de uma pobreza genética lamentável. Pode parecer piada, mas lá só tem chineses. Eles só casam entre si. Não existem correntes migratórias para dentro da china. Só para fora e nos períodos de maior carência econômica.

Vejamos um pouco o quadro genético do Brasil: vieram os portugueses que procriaram com as índias, depois se miscigenaram com os negros, com as levas de holandeses no nordeste do Brasil, os alemães no sul, os japoneses no sudeste, os árabes que rodaram por todo canto e assim por diante.

A grande diferença do Brasil em relação aos outros países é que a cultura brasileira aceita praticamente sem resistência os casamentos entre representantes de qualquer etnia. Exceção talvez para os judeus, ou outros pequenos grupos, que tem procedimentos rígidos e específicos para casamentos. Um bom exemplo podem ser os japoneses. Praticamente a totalidade dos descendentes dos imigrantes, em não mais que três gerações, não sabem mais falar a língua japonesa e são aceitos para casamentos românticos (de livre escolha) com descendentes de qualquer outra etnia.

O detalhe é que não existe o tipo brasileiro. Nenhum brasileiro é capaz de definir como é o “brasileiro”, simplesmente porque ele ainda não foi formado.

A miscigenação continua a todo vapor com um povo jovem, sexualmente vigoroso, tendo filhos e depurando as diversas etnias na busca inconsciente do homem e da mulher brasileira.

Esse fenômeno de miscigenação é único no mundo. Os outros membros do BRICS, como Rússia, Índia e China, não sofrem esse fenômeno, com suas etnias claramente definidas. Ainda comparando com esses países onde grupos sociais se desentendem com frequência, no Brasil não existem conflitos políticos armados ou grupos separatistas. Há ainda uma única língua, o português, sem dialetos, falado de norte a sul, com poucas diferenças de sotaque.

Para completar o fenômeno, o Brasil tem uma extensão continental, no qual tudo é grande e há espaço para tudo. Espaço cultivável, água em abundância (o gigantesco Aquífero Guarani fica, na sua maior parte, no Brasil), raras catástrofes naturais.

Se isso tudo parece uma enorme vantagem, o momento atual é marcado por políticas públicas equivocadas, com um estado gigantesco e gestão econômica muitas vezes confusas ou mal intencionadas. Fora a praga da corrupção e outros inúmeros males nos quais talvez o mais grave seja o desinteresse da população e participar mais ativamente da vida política, deixando que pequenos grupos de ativistas façam barulho e ajam como se efetivamente representassem a população brasileira.

Mas isso é, sempre e apenas, o calor da política.

Há muito o que fazer. Pode ser em infraestrutura, indústria, serviços, construção civil, paisagismo… o Brasil precisa e aceita capital de todo o mundo para fazer todo tipo de obra.

Quer comprar um aeroporto internacional? O Brasil tem para vender. Explorar minérios? Escolha entre ferro, bauxita ou manganês. Montar uma rede de restaurantes? Praças de alimentação proliferam em shoppings centers por todo o Brasil.

A “marca” Brasil mal começou a mostrar a sua força. O ensino brasileiro ainda é fraco e há muito para ser feito. Tudo isso, em algumas gerações certamente será razão de estudo de especialistas para ver o trajeto que a grande nação do hemisfério sul traçou antes de tornar o português a grande língua universal, a cultura dominante, a agricultura que vai alimentar o mundo e uma poderosa indústria na qual qualquer abalo econômico na bolsa de São Paulo deixará chineses, europeus e norte-americanos apavorados.

Enquanto isso não acontece, o brasileiro roda por todo o mundo, aos gritos, indiferente aos hábitos locais, dando risadas e assinalando que é bom o mundo prestar atenção nesse grande país que mal começou a sua história.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on May 22, 2013 by in Brazilians and tagged , , , , , , , .

Top 10

%d bloggers like this: