100 Degrees of Brazil

100 days project

DAY 48. Guto Requena

foto andre klotzArchitect and Master of Architecture at USP.

__________________ 

English: 

Guto Requena is an architect, and Master of Architecture, both at USP – University of São Paulo. For nine years he was a researcher Nomads.usp Center for Interactive Living Studies, University of São Paulo. In 2007 he presented his master’s dissertation, “Dwell Hybrid: Interaction and Experience in the Age of Cyberculture”, which mapped the residential changes during the period referred as the digital age. Guto created the Estudio Guto Requena (Guto Requena Studio), in 2008, and since then he acts as a design consultant, a writer, and a teacher, in addition to developing residential and commercial projects, interactive installations and products. His designs have gained the attention of national and international press, and he received awards such as The Best of Architecture – 2010 with the HOT HOT nightclub, in Bars and Clubs category, and the BID – Ibero-American Biennial of Design, as the best Brazilian space project in 2012 with the Musical Script Exhibition of São Paulo.

Guto taught project design in Panamericana – School of Art and Design – and IED – European Institute of Design in São Paulo – for undergraduate and master’s. In late 2010, Guto had conducted 70 lectures around the country, and he received the award “Young Brazilian Architect” in the “Design” category.

Guto acted as host and writer of Nos Trinques, a program about Brazilian design of rk Globosat, of GNT channel, and he develops projects of webseries. Since 2012 he has a fortnightly column of design on Folha de Sao Paulo newspaper.

__________________

What is your impression about a brand called Brazil?

I’ve thought about your question and I would like to illustrate my answer with a design of my Studio. My most personal project. It is about the Collection “Era Uma Vez” (“Once Upon a Time”). I’m sending a PDF here with a link to the video concept and a release text.

I choose this project as an answer because I believe that it embodies my vision of Brazil, the union between digital technologies (yes! We love new numerical technologies) with handmade technology, and always with a heavy load of affective memory.

Screen shot 2013-06-03 at 14.05.18

 

 

 

 

once upon a time_presentation

ERA UMA VEZ COLLECTION

SÃO PAULO – BRAZIL

MARCH 2012

Design: Estudio Guto Requena, invited by Guardian [www.guardianbrasil.com.br]

Development: architect Henrique Stabile

Programming: Thiago Hersan

Launch: Milan Design Week 2012, Brazil S/A

ABSTRACT

The “Era uma vez” collection of glass vases is made of four pieces of different sizes, created from the record of the fables my grandmother told me when I was a child, captured in digital audio files, which were used as reference for the digital modeling of the vases. The result of the process is the core of the forms which, through the artisanal glassblowing technique, materialize my childhood memories. The use of discarded glass shards contribute to the sense of a life cycle.

These four glass vases reflect Estudio Guto Requena’s interest in the design process and projects inspired by affective memory and the rich Brazilian culture and recent history, as well as the reevaluation of artisanal heritage. These objects represent the investigation of creative design processes which benefit from the possibilities offered by new digital technologies, as well as make use of cyberculture concepts.

INSPIRATION

My grandmother taught English in countryside São Paulo State. During my childhood in Sorocaba, I frequently gathered with my cousins around her to listen, completely mesmerized, to her storytelling, which frequently included traditional fables from all around the world. A skilled raconteur, she held us under a spell through the vivid details of her narrative and the rich nuances of her voice, at times thrilling, at times joyful. These striking shared memories trail after me ever since.

My grandmother is 85 years old now, and inspiringly lucid. In 2011 I decided to record some of her most remarkable stories. Every trip to visit her in the countryside became an opportunity to revive my familiar childhood rituals. It was a memorable time travel which brought up the memories of my grandmother’s old house, its sounds and scents, as well as fresh discoveries.

CREATION

I chose to materially perpetuate four of these tales: “The Wind and the Sun”, “The Wren and the Owl”, “A party in heaven” and “The Dove and the Ant”. Having recorded the tales in four different mp3 audio files, we initiated the programming process at Estudio Guto Requena, through the computer software Processing. After thorough analysis of multiple possibilities we opted for a programming which interpreted the audio file in a bidimensional curve. This curve visually represents the narrative and drama of the storytelling; it materializes whispers, emotions and tones of my grandmother’s voice.

The next step was to transform the curve in a tridimensional volume. Through a simple gesture, made possible by computer software Rhino 3D, we rotated the curve and revolved it 360° around an axis, thus generating the final form of the vase. The final forms were therefore reached through parametric modeling, which used the audio-generated image as parameter. For each story an exclusive curve, 3D object and size. Each vase is the volumetric materialization of one of the four fables.

FABRICATION

While the entire creative process involved digital technologies, we chose analogical artisanal techniques for the fabrication. The São Paulo neighborhood of Belenzinho hosted the first glass workshops of Italian immigrants from Murano in 1930, an activity which saw its heyday during the 1950’s and 1960’s. By the 1990’s, specifically during the Collor administration, Brazil reopened economically and once again allowed for importation of goods, due to the end of the military regime in 1985. This sequence of events occasioned the bankruptcy of most of the Belenzinho glass workshops, as they could not compete with their international opponents which now began to settle in the country.

In order to produce the “Era uma vez” collection, we relied on the collaboration of one of the few companies which survived this hardship and is now currently owned by its fourth generation of glassmakers in the same family. The four vases were produced artisanally through the millenary glassblowing technique. Glass shards from Guardian products were used as raw material for the vases. The four iron molds required for the glassblowing technique were also artisanally crafted through the iron molding technique.

STORYTELLING

The Wind and the Sun

The Wind and the Sun were always disputing which was the strongest.

One day, they saw a traveler coming down the road and the Sun said:

“I see a way to settle the matter. The one of us who can make that traveler take off his cloak has the right to be called the strongest”.

You begin !

So the Sun went behind a cloud and the Wind began to blow as hard as he could upon the traveler.

But the harder he blew the more closely did the traveler wrap his cloak around him, until, at last, the Wind had to give up.

Then the Sun came out and shone in his glory upon the traveler, who soon found it too hot to walk with his cloak on, and took it off.

With violence we don’t get anything in this world, but with the heat of love and goodness!

The Wren and the Owl

Once upon a time, the litle Wren, a small European bird, was sick and lost all her feathers.

She was very sad and asked the other birds to give her some of theirs.

They were all very glad to give them, except the Owl, who was selfish and said crossly:

“No, I cannot give you any.

For there will soon be snow, and I’ll need them.”

When the King of Birds heard this, he was very angry with the selfish Owl and said:

“Because you have been so selfish I’ll punish you severely. From this day, you will always be cold and leave your nest only by night and if you fly by day all the other birds will peck at you.” (As you know, owls can’t see during the day).

And from that day on, the Owl has never left off crying “Hou, hou” as if she was dying of cold.

We must be generous and good with everyone.

A party in Heaven

There would be a party in Heaven. It was an angel’s birthday, I suppose, but only the guests who had wings: – birds, owls, butterflies, etc. – could go to the event.

The toad, who loved parties, went crazy when he heard of the event, for he wanted to go there, too.

But a toad has no wings, so he began to think how he would be able to go to the party.

It just so happened that the vulture was going to play the guitar at the party and the toad, very smartly, entered into the guitar and stayed very quiet and well hidden.

Arriving in Heaven, every guest greeted and congratulated the little angel for his birthday.

The vulture left the guitar on a corner and went, too.

The toad then came outside the guitar and went to dance, sing and eat the delicious sweets.

When everything finished, the toad ran quickly, to hide inside the guitar again. The vulture said good bye to everyone, took the guitar and came back flying, with the other guests.

In the middle of the way, he heard a low noise inside the guitar and was very suspicious.

He then turned the hole of the guitar down, and the toad slipped and fell, fell until… Smash! He smashed himself and broke into pieces. He didn’t die, but his back was full of wrinkles forever and he became very ugly.

We must accept ourselves just like God made us.

The ant and the dove

Once upon a time, a hunter was walking in a forest, when looking up he saw a little dove among the branches of a tree.

He took his rifle and when he raised the gun to shoot the bird, an ant that was there, walking around, saw the gesture of the man and felt pity of the dove.

The ant went up on hunter’s leg and bit it hard. The man’s hand trembled and he didn’t get to hit the bird and with the noise the dove flew away.

Time passed, and one day the ant was working on a high grove when suddenly, it slipped and fell into the river.

The ant was desperate, began to cry because it didn’t know, how to swin and was going to die.

By chance, that same dove that the ant had saved, was flying over the river and saw the poor ant. What did it do?

It took a leaf from a tree and let it fall, gently, on the river near the ant.

So the dove could save the ant’s life that went up the leaf and with the light wind reached the land.

Love with love is paid.

 __________________

Arquiteto e mestre em Arquitetura pela USP.

Português

Guto Requena é arquiteto, e mestre em Arquitetura, ambos pela USP – Universidade de São Paulo. Por nove anos foi um pesquisador Nomads.usp – Núcleo de Estudos de Habitares Interativos da Universidade de São Paulo. Em 2007 ele apresentou sua dissertação de mestrado, “Habitar Híbrido: Interatividade e Experiência na Era da Cibercultura”, que mapeou as transformações residenciais durante o período referido como era digital.

Guto criou o Estudio Guto Requena, em 2008 e, desde então, atua como consultor de design, como escritor, e professor, além de desenvolver projetos residenciais e comerciais, instalações interativas e produtos. Seus projetos ganharam a atenção da imprensa nacional e internacional, e recebeu prêmios como o “Melhor da Arquitetura – 2010” com a boate HOT HOT, na categoria “Bares e discotecas” e BID – Bienal Ibero Americana de Design, como o melhor projeto brasileiro de espaço em 2012 com a Exposição Roteiro Musical de São Paulo.

Guto ensinou concepção do projeto na Panamericana – Escola de Arte e Design – e no IED – Instituto Europeu de Design, em São Paulo – para graduação e mestrado. Ao fim de 2010, Guto havia ministrado 70 palestras pelo país, e  recebeu o prêmio “Jovem Arquiteto Brasileiro” na categoria “Design”.

Guto atuou como apresentador e roteirista de “Nos Trinques”, um programa de design brasileiro da Rede Globosat  no canal GNT  e desenvolve projetos de webseries. Desde 2012, tem uma coluna quinzenal de design no jornal Folha de São Paulo.

__________________

Qual é a sua impressão de uma marca chamada Brasil?

Pensei na sua pergunta e gostaria de ilustrar minha resposta com um projeto do meu Estudio. Meu projeto mais pessoal. Trata-se a Coleção “Era uma Vez”. Envio aqui um pdf com link para o video conceito e o texto release.

Escolho esse projeto como resposta pois acredito que ele incorpora minha visão de Brasil, a união entre tecnologias digitais (sim! adoramos novas tecnologias númericas) com tecnologias artesanais, e sempre com uma densa carga de memória afetiva.

Screen shot 2013-06-03 at 14.05.18

once upon a time_presentation

COLEÇÃO ERA UMA VEZ

São Paulo, Brasil

verão 2012

Design: Estudio Guto Requena à convite da Guardian do Brasil [www.guardianbrasil.com.br]

Desenvolvimento: arquiteto Henrique Stabile

Engenheiro de programação: Thiago Hersan

Fabricação: Vidros Zero 1

Lançamento: Semana de Design de Milão, 2012, Brasil S.A

Palazzo Giureconsulti: Via dei Mercanti, 2 (Duomo)

RESUMO

A coleção de vasos de vidro “Era uma vez” é composta por quatro peças de tamanhos diferentes, criadas a partir do registro de fábulas que a avó de Guto contava na sua infância, captadas pelo telefone celular em 2011 e utilizadas como base para a modelagem computacional dos vasos. O resultado é a alma das formas, geradas pela interpretação dos arquivos de áudio, que expressam através de suas curvas o drama narrativo dos contos. Os vasos foram fabricados pela técnica artesanal da moldagem de vidro por sopro e utilizam em sua composição vidro descartado.

A coleção reflete o interesse do Estudio Guto Requena no processo de design e em projetos inspirados na memória afetiva, na rica cultura e história brasileira e na valorização do artesanal. Os objetos representam uma forma de investigação do processo criativo em design que utiliza as possibilidades oferecidas pelas novas tecnologias digitais e o uso de conceitos advindos da Cibercultura.

INSPIRAÇÃO

Dona Therezinha, avó materna de Guto, foi professora de inglês no interior de São Paulo. Com frequência, durante a infância em Sorocaba, Guto e seus primos se reuniam ao redor dela para ouvir, fascinados, seus contos, muitos deles vindos da literatura inglesa. “Era hipnotizante observar as diferentes entonações que ela alcançava com sua voz, suspenses e alegrias, detalhes ricos da sua narrativa. A vivência dessas memórias compartilhadas me acompanha desde então”.

Hoje com tem 85 anos Dona Therezinha é dona de uma lucidez inspiradora. Em 2011 Guto decidiu gravar algumas de suas estórias mais marcantes. Repetiu, a cada viagem para o interior, o ritual que fizera em sua infância. Foi uma bela viagem no tempo, uma visita às lembranças da antiga casa de sua avó, seus sons e cheiros, bem como muitas novas descobertas que vieram à tona.

CRIAÇÃO

Escolheu-se quatro destes contos para transformarem-se em objetos: “O Vento e o Sol”, “A Carriça e a Coruja”, “Festa no céu” e “A Pombinha e a Formiga”. Através da captação em quatro diferentes arquivos de áudio em formato digital (mp3), iniciou-se no Estudio Guto Requena a programação com uso da linguagem Processing, que interpretou o arquivo de áudio numa curva bidimensional. Esta curva representa visualmente o drama narrativo dos contos, a materialização literal dos suspiros, emoções e sonoridades da avó de Guto.

O próximo passo foi transformar esta curva num volume tridimensional. Por meio de um gesto simples, utilizando o software Rhino 3D, rotacionou-se esse desenho girando-o 360º em torno de um eixo, gerando assim a forma final do vaso. Os volumes finais foram, portanto, obtidos através de modelagem paramétrica, utilizando a imagem gerada pelo áudio como parâmetro. Cada estória possui uma curva, uma forma e um tamanho diferente. Cada vaso é a materialização volumétrica de uma das fábulas.

FABRICAÇÃO

Enquanto todo processo criativo envolveu tecnologias numéricas, para o processo de fabricação escolheu-se tecnologias artesanais, analógicas.

As fábricas de vidro do bairro paulistano do Belenzinho, as quais viram seu auge produtivo nas décadas de 1950 e 1960, foram fundadas por imigrantes italianos da região de Murano, na década de 1930. Após o fim do Regime Militar no país em 1985, os anos 1990 foram marcados pela abertura econômica, especialmente durante o governo Collor. A maior parte das fábricas artesanais de vidro da região do Belenzinho faliu neste período, frente aos gigantes internacionais que se instalavam no país.

Para produzir a coleção “Era uma vez”, contou-se com uma das poucas empresas que sobreviveram à este momento, uma empresa familiar que atualmente está em sua quarta geração de vidreiros artistas. Os quatro vasos foram produzidos artesanalmente a partir da técnica milenar da moldagem por sopro. Utilizou-se cacos de vidro, sobras das placas produzidas na fábrica da Guardian, como matéria-prima para os vasos. As quatro formas de ferro que recebem em seu interior o vidro para sopro também foram confeccionadas artesanalmente.

FÁBULAS – transcritas pela Dona Therezinha Joly

O Vento e o Sol

O Vento e o Sol estavam sempre a disputar o mérito da maior força.

Um dia, ao verem um viajante que seguia seu caminho estrada afora, o Sol disse:

“Vejo como podemos resolver a questão. Aquele que fizer com que o viajante retire sua capa terá o direito de ser chamado o mais forte. Comece!”

Então enquanto o Sol se escondia atrás de uma nuvem, o Vento começou a soprar o mais forte que podia sobre o viajante.

Entretanto, tão forte soprava o vento tanto mais o viajante agarrava-se à sua capa, até que o Vento foi obrigado a desistir.

Então o Sol revelou-se e brilhou em toda sua glória sobre o viajante, que logo achou que estava muito quente para caminhar vestindo sua capa e despiu-a.

Moral da estória: Com violência nada conseguimos neste mundo, mas, sim, com o calor do amor e da bondade!

A Carriça e a Coruja
Era uma vez uma pequena Carriça, um passarinho europeu, que adoeceu e perdeu todas suas penas.

Ela ficou muito triste e pediu a todas as aves que dessem algumas das suas próprias penas. Todas elas ficaram muito contentes em dá-las, a não ser a Coruja, que era egoísta e disse, mal-humorada:

“Não, não posso dar nenhuma a você, pois logo haverá neve e eu precisarei delas”.

Ao ouvir isso, o Rei dos Pássaros zangou-se com a egoísta Coruja e disse:

“Terei de puni-la severamente pelo seu egoísmo. A partir desse dia, você sempre sentirá frio e sairá do seu ninho somente a noite, pois se voar durante o dia os outros pássaros lhe bicarão os olhos” (como sabemos, corujas não podem ver durante o dia).

E desde então, a Coruja nunca deixou de piar “Hou, Hou”, como se estivesse morrendo de frio.

Moral da estória: Devemos ser generosos e bondosos com todos.

Uma festa no Céu

Uma festa no Céu estava para acontecer. Eu creio que seria o aniversário de um anjo, e somente os convidados que possuíam asas – passarinhos, corujas, borboletas e etc. – poderiam ir.

O sapo, que era muito festeiro, quando ouviu falarem sobre a festa ficou louco de vontade de ir também.

Mas um sapo não tem asas, logo ele se pôs a pensar como ele conseguiria comparecer no aniversário.

Acontece que o Urubu iria tocar violão na festa; o Sapo, muito astuto, escondeu-se dentro do violão e ficou bem quieto e escondido. Chegando ao Céu, todos os convidados saudaram e parabenizaram o anjinho pelo seu aniversário.

O Urubu deixou o violão num canto e juntou-se aos outros. O sapo então saiu de dentro do violão e foi dançar e cantar e comer as deliciosas guloseimas. Quando tudo se acabou, o Sapo correu ligeiro para esconder-se novamente dentro do violão.

O Urubu despediu-se de todos, pegou seu violão e voltou voando com os outros convidados. No meio do caminho, ele escutou um barulhinho dentro do violão e ficou muito desconfiado. Ele então virou o violão ao contrário, com o buraco para baixo, e o Sapo escorregou e caiu, caiu, até que… Ploft!

Ele se quebrou inteiro. Ele não morreu, mas suas costas ficaram para sempre enrugadas e ele ficou muito feio.

Moral da estória: Devemos aceitar a nós mesmos da forma como Deus nos criou.

A Pombinha e a Formiga

Era uma vez um caçador que caminha pela floresta, quando olhou para cima e viu uma Pombinha entre os galhos de um árvore. Ele sacou seu rifle e ergueu-o para atirar no pássaro.

Uma Formiga que passeava por ali viu o gesto do homem e sentiu pena da Pombinha. A Formiga então subiu até a perna do caçador e a mordeu com força. A mão do homem tremeu e ele não conseguiu ferir o pássaro, que voou assustado pelo barulho do tiro.

O tempo passou e um dia, enquanto trabalhava num bosque, a Formiga de repente escorregou e caiu num rio. A Formiga ficou desesperada e se pôs a chorar, pois não sabia nadar e iria morrer afogada.

Por sorte, aquela mesma Pombinha que a Formiga tinha salvado da morte estava sobrevoando o rio quando viu a pobre Formiga. O que ela fez?

Ela arrancou uma folha de uma árvore e a deixou cair no rio gentilmente, próxima da Formiga. Assim a Pombinha salvou a vida da Formiga, que subiu em cima da folha e, com a brisa mansa, chegou à margem.

Moral da estória: O amor com amor é pago.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Top 10

%d bloggers like this: