100 Degrees of Brazil

100 days project

DAY 69. Fernando Kassab

fernando-kassab-25102007_31

Journalist.

__________________  

English: 

Professional experience length: 28 years (vehicles, among magazines, newspapers, TV channels: Veja, Veja Paulista, Gula, Vogue, Correio Popular, Diário do Povo, Caras, EPTV- a TV Goblo Affiliate).

Activities: reporter, editor, photographer, columnist and chronicler.

Current Activity: TV host of parts of shows such as Prato Fácil (“Easy Dish”) and TodoSabor (“All Flavor”), about gastronomy and culinary, with and without guests, and Simples Assim (“Simple as That”), with several subjects on lifestyle, behavior and conscious consumption.

__________________ 

What is your impression about a brand called Brazil?

We’re okay, aren’t we? As we have never been before! The obvious signs of such improvement are insistently hammered, incessantly, through reports in all media. I read four newspapers a day, all nationwide. I watch at least three daily TV news, besides keeping my TV permanently attached in a 24 hour news channel (Globonews). And what do I see? I see a sea of ​​roses, occasionally hit by large, and impossible to circumvent, oil stains, that insist on spoil the landscape and the dream of a better country for all. I see what we call “céu de brigadeiro” (“blue and clear skies”) that sometimes becomes inoperative due to large rolls of social smoke preventing a quiet flight with no incidents. But let’s be fair and correct – the profession demands a lot.

We are, in fact, much better in many ways: all my reports are made on the street; I see that the so dreamed access to consuming goods arrived, with all power, for at least 20 million Brazilians who emerged from the least favored classes. I see, also, that we no longer have the famous “mutt complex”, so well, in the 1950s, by the journalist and playwright Nelson Rodrigues, the greatest heritage of our letters and stages. Rodrigues used the expression to write about our almost endemic shame, our sportive lapses and our national craze to feel inferior in relation to more developed countries, to superior cultures and to more enlightened people. All this, if is not over, has been declining since the adoption of a strong currency in 1994. We had crisis after that, as the one of February 1998, which took the country to the large and suspicious queue of troubled nations. We escaped from it again and few news were so broadcasted as the history that the country had provided money to countries that, before, were unsuspected of passing through crisis that we know so well – Spain, Portugal, Greece and Ireland, among others. Not to mention that we offered money to the IMF itself! The day this news came out in the press, it was more or less like winning a World Cup: it means that one of the “ugliest ducklings” of Latin America had the safe open exactly to the institution accused of stifling our economy two decades ago? It was a party – and it has been more or less like this, since then. Until …

Until the damage of the international economy has hit our admiral sea and our blue and clear skies. Until the inflation, represented in the country by a ruthless dragon that had never slept completely, started to peek us with strength and mistrust again. As this kind of news never comes alone, the golden pill, which was already showing signs of fatigue, is losing its veneer that ensures the freshness and vigor of the recent economic achievements – and the best example was the fall of 8% in the until then unabated popularity of our Republic President, Dilma Rousseff. If the “brand Brazil” will live days of bonanza ever seen with the completion of two mega-events (World Cup in 2014 and the Olympics in 2016), we have to run against all odds to put the country in order. And we are at a moment in which efforts may result in few achievements. I’m against the “card-carrying” nihilists, the discouraged of spirit and the defeatists by choice – in short, I’m against those who think the mutt costume fits us really well. But things are not even close to the nirvana that has been preached by official agents from all spheres of power.

Only in the state of São Paulo, the richest and most developed of the Union, there are 3 thousand new men and women imprisoned for months – not always because of heinous crimes, it is true, but not always because of “stealing chickens”. Two months ago I recorded a report in a town with 3 thousand inhabitants in the south of Minas Gerais state. When I praised the cleanliness of the square in which the recording took place, I heard from the responsible for cleaning, from the City Hall, a “thank you” and an explanation: the square is washed every morning due to the intensive and indiscriminate use of crack during the night. Today, Brazil is the country where the drug is most consumed in the world. We live in an unprecedented epidemic: we daily lose youth and adults to the abuse of illicit and licit drugs (alcohol has ruined entire families). Worse: there is a large number of functional addicts among the disadvantaged people; people who use crack and alcohol to increase production in cane cutting and in harvesting of coffee – the result, in practice, was the absurd increase in cases of accidents with work tools, such as sickles and agricultural machinery. Our brand needs urgent and bluntly, of more effective actions – propaganda against it exists, and a lot. But it is known that it has not worked. We cannot be the largest grain producer and the largest exporter of beef in the world, and load on our back perfectly avoidable deaths. We cannot create the expected and praised quota system, which gives equal study opportunities to people of all ethnic groups of our population, repairing many years of inequalities and counter-orders due to social power and/or skin color, while we perceive the emergence of an even greater resentment against those who, historically, have always been priced out of national life and of the decisions of the power center. Not to mention the always unjust and unequal dealings to indigenous issues, which in recent months have left the country in a permanent state of alert.

In the heydays of the Discoveries, Christopher Columbus would have said that Cuba was the most beautiful place in the world. The Brazilians, who know about the story, like to say that the phrase existed only because the fearless Genoese navigator didn’t know Brazil. In fact, we are privileged for having everything that makes a great brand: landscapes that take our breath away, eight thousand kilometers of coastline, the friendly characteristic of our people, the amazing miscegenation that occurred for reasons stronger than pure conviction, our cuisine, our habits and customs. We have countryside, backland and beaches. We have joy, samba, carnival and warmth most of the year. We have the exuberance of our forests. We are recognized as friendly and hospitable. But we cannot push everything else “under the rug”, as if the world sees us with lenses color pink. If there is one thing that the “brand Brazil” needs, and urgently, is more truth, greater transparency and a permanent combat the historical evils that afflict the nation since 1500 (the corruption, the social villainy and the contempt for the least favored, mainly). A country that took 500 years to regulate the profession of domestic workers, precisely those people who wash our clothes, clean our ground and take care of our children, needs to urgently review the image of its brand, otherwise it will “skate” another 500 years in a swamp, full of uncertainties and incorrigible ills.

__________________

Português:

Profissão: Jornalista

Tempo de profissão: 28 anos (veículos: Veja, Veja Paulista, Gula, Vogue, Correio Popular, Diário do Povo, Caras, EPTV-Afiliada Rede Goblo de Televisão)

Atividades: repórter, editor, fotógrafo, colunista e cronista

Atividade atual: apresentador dos quadros Prato Fácil e TodoSabor, acerca de gastronomia e culinária, com e sem convidados, e o quadro Simples Assim, com assuntos diversos sobre estilo de vida, comportamento e consumo consciente.

__________________ 

Qual é a sua impressão de uma marca chamada Brasil?

Estamos bem, não estamos? Como nunca estivemos antes! Os evidentes sinais de tamanha melhora são martelados insistentemente, diuturnamente, através de reportagens em todos os veículos de comunicação. Leio quatro jornais por dia, todos de alcance nacional. Vejo ao menos três telejornais diários, além de manter meu aparelho de TV permanentemente ligado em um canal de notícias 24 horas (Globonews). E o que vejo? Vejo um mar de rosas, vez por outra atingido por grandes e incontornáveis manchas de óleo, que inistem em estragar a paisagem e o sonho de um país melhor para todos. Vejo o que chamamos de “céu de brigadeiro” que às vezes fica inoperante devido aos grandes rolos de fumaça social que impedem um vôo tranquilo e sem incidentes. Mas vamos ser justos e corretos – a profissão exige.

Estamos, sim, muito melhores em vários aspectos: todas as minhas reportagens são feitas na rua; vejo que o tão sonhado acesso aos bens de consumo chegou, com tudo, para pelo menos 20 milhões de brasileiros que emergiram das classes menos favorecidas. Vejo, ainda, que deixamos de ter o famoso “complexo de vira-lata”, tão bem descrito, nos anos 1950, pelo jornalista e dramaturgo Nelson Rodrigues, patrimônio maior de nossa letras e palcos. Rodrigues usava a expressão para escrever sobre nossa vergonha quase endêmica, dos nossos lapsos esportivos e de uma mania nacional de nos sentirmos inferiorizados diante de países mais desenvolvidos, de culturas superiores e povos mais esclarecidos. Tudo isso, se não acabou, vem diminuindo desde a adoção de uma moeda forte, em 1994. Tivemos crises depois disso, como a de fevereiro de 1998, que reconduziu o país para a grande e suspeita fila de nações problemáticas. Escapamos dela novamente e poucas novidades foram tão noticiadas como a história de que o país ofereceu dinheiro aos países antes insuspeitos de passarem por crises que conhecemos tão bem – Espanha, Portugal, Grécia e Irlanda, entre outros. Isso sem falar que oferecemos dinheiro ao próprio FMI! No dia que essa notícia saiu na grande imprensa, foi mais ou menos como ganhar uma Copa do Mundo: quer dizer que um dos patinhos mais feios da América Latina estava com o cofre aberto justamente para a instituição acusada de asfixiar nossa economia duas décadas atrás? Foi uma festa – e tem sido mais ou menos assim, desde então. Até que…

Até que o estrago da economia internacional atingiu em cheio o nosso mar de almirante e o nosso céu de brigadeiro. Até que a inflação, representada no país por um dragão impiedoso e que jamais dormiu completamente, voltou a nos espreitar com força e desconfiança. Como este tipo de notícia jamais vem sozinha, a pílula dourada, que já vinha dando sinais de cansaço, vem perdendo o seu verniz que garante o brilho e o vigor das recentes conquistas econômicas – e o melhor exemplo foi a queda, de 8%, na até então inabalável popularidade da nossa presidente da Républica, Dilma Rousseff. Se a marca Brasil vai viver dias de bonança jamais vistas com a realização de dois mega-eventos (Copa do Mundo, em 2014, e a Olimpíada em 2016), temos que correr contra tudo e todos para pôs o país em ordem. E estamos em um momento cujos esforços podem resultar bem pouco. Sou contra os niilistas de carteirinha, os desanimados de espírito e os derrotistas por opção – em suma, contra os que acham que o figurino de vira-lata nos cai muito bem. Mas as coisas não estão nem próximas do nirvana que tem sido pregado por agentes oficiais de todas as esferas do poder.

Somente no estado de São Paulo, o mais rico e desenvolvido da União, são 3 mil novos homens e mulheres presos por mês – nem sempre por causa de crimes hediondos, é verdade, mas também nem sem sempre por causa de roubos de galinhas. Há dois meses gravei uma reportagem em uma cidade com 3 mil habitante no sul de Minas Gerias. Ao elogiar a limpeza da praça em que aconteceu a gravação, ouvi da encarregada da prefeitura um obrigado e uma explicação: a praça é lavada todos as manhãs devido ao uso intenso e indiscriminado do crack durante o período da noite. O Brasil é hoje o país em que a droga é mais consumida no mundo. Vivemos uma epidemia sem precedentes: perdemos diariamente jovens e adultos para o abuso de drogas ilícitas e lícitas (o álcool tem arruinado famílias inteiras). Pior: há um grande número de viciados funcionais entre os menos favorecidos; gente que usa o crack e o álcool para aumentar a produção no corte de cana e na colheita do café – o resultado, na prática, foi o aumento absurdo de casos de acidentes com instrumentos de trabalho, como foices e máquina agrícolas. Nossa marca precisa, urgente e sem rodeios, de ações mais efetivas – propaganda contra existe, e muita. Mas já é sabido que não tem funcionado. Não podemos ser o maior produtor de grãos e o maior exportador de carne bovina do mundo, e carregar nas costas mortes perfeitamente evitáveis. Não podemos criar o esperado e tão louvado sistema de cotas, que dá oportunidades de estudos iguais a pessoas de todas as etnias de nossa população, reparando anos seguidos de desiguldades e desmandos devido ao poder social e/ou a cor da pele, ao mesmo tempo que percebemos o surgimento de um ressentimento ainda maior contra os que, historicamente, sempre foram alijados da vida nacional e das decisões do centro do poder. Isso para não entrar na sempre injusta e desigual tratativa para a questão indígena, que nos últimos meses tem deixado o país em permanente estado de alerta.

Na fase áurea dos Descobrimentos, Cristóvão Colombo teria dito que Cuba era o lugar mais lindo do mundo. Brasileiros que sabem da história gostam de dizer que a frase só existiu porque o destemido navegador genovês não conheceu o Brasil. De fato, somos privilegiados por tudo aquilo que faz uma grande marca: paisagens que nos tiram o fôlego, oito mil quilômetros de costa marítima, o gênio amistoso do nosso povo, a incrível miscigenação que se deu por motivos mais tortos do que por pura convicção, nossa culinária, nossos hábitos e costumes. Temos campo, sertão e praias. Temos alegria, samba, Carnaval e calor em boa parte do ano. Temos a exuberância das nossas florestas. Somos reconhecidamente cordiais e hospitaleiros. Mas não podemos empurrar todo o resto para debaixo do tapete, como se o mundo nos visse com lentes cor-de-rosa. Se existe uma coisa que a marca Brasil precisa, e urgentemente, é de mais verdade, de uma maior transparência e de um combate permanente ao históricos males que atingem a nação desde 1500 (a corrupção, a vilania social e o desprezo pelos menos favorecidos, sobretudo). Um país que levou 500 anos para regulamentar a profissão de empregado doméstico, justamente daquelas pessoas que lavam a nossa roupa, limpam o nosso chão e cuidam dos nossos filhos, precisa rever com urgência a imagem de sua marca. Sob pena de patinar outros 500 anos em um terreno pantanoso, cheio de incertezas e mazelas incorrigíveis.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Top 10

%d bloggers like this: