100 Degrees of Brazil

100 days project

DAY 97. Marcelo Lopes

02_Marcelo Lopes

Founder of  Merchan-design agency.

__________________ 

English: 

Graduated in social communication – Publicity and Advertising by Cásper Líbero Foundation, he soon went to the design area, going through a period of study in the United States in 1990 and 91 and in 1995 he founded the Merchan-design, design agency with a focus on Premium and luxury market developing several projects and an expert in emotional design including the playful, interactive and sensorial as a registered mark of his work. Marcelo is the Project Director of ADP – Association of Product Designers. He was also a columnist (design) in Desktop magazine for two years.

Awarded in several national and international design competitions, such as the IF Design, London International Advertising Awards, Tahitian Pearl Trophy, Creativity Awards, Graphis Awards, Columnist Award, Idea Brazil Award, among others, totaling more than 30 award-winning projects. In 2012 it was the design agency of the year by ABP – Brazilian Association of Advertising and also a gold and silver winner with 3 projects. In 2013 he won five awards including the top prize – Platinum at the A Design Awards & Competition in Italy. He has been, for more than 10 years, participating as a juror of the Fernando Pini Award of graphic Excellence and of other awards as the award of the poster of the “Museu da Casa Brasileira” (Museum) in 2008, HouseGift and the Idea Brazil in 2010; in 2011 he was part of the jury of the Creativity Awards in the United States and in 2012 the ABRE (Brazilian Packaging Association) award.

In his portfolio of projects there are works for the Caesar Park Hotels and Caesar Business – Brazil, Argentina and Chile, Yael Sonia Art Jewelry – NYC, Lygase Consulting – United States, Gmund PapierFabrik – Germany, Bernardinho – coach of the Brazilian Volleyball team, Audi, Davene, Samuel Cirsnansck, Arjo Wiggins, Sherwin Williams paints, h. Stern, Emar Batalha Joalheria, Art´orafo Jóias (both jewelries), among others.

He is also the idealizer of the Design Working Project conducted by ADP.

Marcelo participated in some Graphic Design biennales of ADG and in the Biennale of Design in Curitiba.

In the year of Brazil in France (2005) he was invited by Arfan Joailliers for the launch of the book Krystallos, his great art project of authorial jewelry and Brazilian gems.

Marcelo participated in collective exhibitions in Brazil, United States and Italy and he has several of his designs published in national and international magazines and books.

__________________ 

What is your impression about a brand called Brazil?

01

WHAT BRAND?

The one we never had?

The one we have?

The one we think of having?

The one we see?

The one the foreigners know?

The one we show?

The one the sensationalism of the international media releases?

The one we would like to have?

A Brazil that was? A Brazil that is? A Brazil that will be? Or never will?

I prefer to believe, optimism is always welcome, we still will be!

But I think, at the present moment, to show a brand called Brazil as we aim, it is necessary a lot of homework. We need more transparency, honesty, seriousness, respect, less political corruption and even more love for Brazil!

As a Brazilian I see the reality of Brazil by viewing it from the inside out and what I see seems negative. My point of view has its positive side that is also what I believe to be seen by the world.

I think we had great advances over the past forty years: our cars (wagons – until the 90s) there are more demonstrations across Brazil called up by new generations and disseminated by social networks; a computerized system for excellent performance in the banking system; social advancement through which 20 million Brazilians got out of the class C and D and went to the middle class – it generated a heat in the economy. And the retrogression? Less publicized, of course, will lead the country away from the real Brazil that we all deserve to have by right and that we want to show the world.

I make a comparison between Brazil and the United States. What would be the difference between the two countries? Equally young?  When the British left for the United States they intended to colonize it and build their homeland. And what about the Portuguese? I’ll make it clear – I like the Portuguese and I am a descendant, but I cannot close my eyes to what I was taught in school about the history of our Brazil. Returning home (Portugal) taking our wealth as gold, “pau-brasil” (red wood), precious stones…

It’s been more than 500 years and the genetic inheritance of exploration remains rooted in the system.

Small examples: We have one of the world’s most expensive telephony compared to the per capita income. And the interest on the overdraft and the credit card? At the edge of the 10%? Which countries operate with such abusive interest? Will we find that in developed countries? And our taxes?

The government decreased the tax evasion, but corruption has increased. The government itself, which fought for the end of dictatorship and equality, today turned “half left-wing” and “half right-wing”, leading to the deficiency of education, sanitation, health, safety – we are living with a high rate of crime, etc.., feeding the body and the soul of the country with the “Bread and Circus”! Save the “Bolsa Família”, the “reclusion aid” (social welfare programs of the Brazilian government)…

I believe that Brazil has always been and will always be a country of contrasts!

Contrasts in our flora, in our fauna, in our lush beaches are positive, but we have the negatives that I believe that it is necessary to fight to eliminate or at least decrease. I keep seeing that there is no reduction, but the repetition. The actors are exchanged, but the scene remains!

More than 50 years ago we had the construction of a 100% planned city: Brasília – 50 years in five! What was the consequence? The beginning of a voracious inflation that only got better in 1994. Very expensive this dream of JK (Juscelino Kubitschek – a president Brazil had)!

Now, just over 50 years later, the scene is repeating! Another expensive dream for Brazilians? Are they happy for hosting the World Cup? A World Cup that is costing much more than the last ones held in the world? And the millions that will be spent on maintaining these “white elephants”? The Maracanã Stadium is really beautiful, but it will certainly spend much of its time resting quietly, enjoying the shape and the life given to concrete. We know that football is deified in Brazil, we have to recognize, but we cannot forget that the needs of our people are not fed by it.

With all this and a million more things, I consider that even talking about a brand that represents Brazil is very difficult and complex, because we have the brand perceived today, not so good, and the brand we aspire to have one day. To build a national brand we have to go beyond the political interests and reach the interest of a nation.

Considering only the political interests, buildings happen in a very slow speed and the destruction happens as fast as an implosion. A small example of this is the PBD – Brazilian Design Program, which began in 1995 with our admirable Dorothea Werneck in MDIC – Ministry of Development, Industry and Foreign Trade in order to insert the design in the productive sectors of Brazil, but it had a short life! 7 years!

I recently had the knowledge of another possible extinction, now specifically of the government of São Paulo. The Sutaco, with over 30,000 craftsmen is in danger of ending up! If this happens, what would it represent? Increasingly kill the culture of our country?

Leveraging that I spoke of killing the culture in my view, not generalizing, I see so much of our culture being buried when first it should be more valued, starting by our own language. The Portuguese, a rich and beautiful language, so well expressed by great Brazilian writers as Castro Alves, Cecilia Meireles, Machado de Assis, Carlos Drummond de Andrade, is constantly being attacked by the Anglo-Saxon.

“Liquidação”? What is this? Is it out of fashion?

Now it is “OFF”, “SALE” (in English) …

And those who believe it is “cool” use ‘by’ instead of ‘por’ (Portuguese word)? Is it really globalization? Is this the loss of our identities? Is this the devaluation of our personality?

Ok, we must admit that the English, for being the second universal language, influences the world.

I also see a disregard with the preservation of the history and the art of Brazil, including the urban preservation of the country.

The lack of schools is the best way of not generating culture in people and it ends up influencing a lot the quality of the voters who elect some candidates without any preparation to manage the destiny of the nation that we’re reaching.

What about the make-believe? This is really in fashion.

They make a chocolate candy that is soft in the inside and becomes a “truffle”

They make a tart without lid and it becomes a “quiche”

They make a cake with nuts and vanilla and it becomes a “Brownie”

They make a cookie that is creamy inside and it becomes a “Petit Gateau”

These are trendy in our country, especially in São Paulo.

The national food found throughout Brazil is our rice and beans, our regional cuisine is as rich, perhaps because of the size of our country – “we are many inside of one” – that has generated an incredible and delightful gastronomy.

So why not increase this exchange of flavors between the Brazilian states and cities instead of importing international recipes?

We have as example: the “cupuaçu” from the Amazon, the “Tutu of beans” from Minas Gerais, the “roll cake” from Pernambuco, the “tapioca” from Fortaleza, the “acarajé” of Bahia, the “maniçoba” of Pará, the “carreteiro” rice of Rio Grande do Sul…

While 10 São Paulo’s restaurants you can easily find the “Petit Gateau”, I may have to travel something like one thousand kilometers to find a “cupuaçu” candy.

I think everyone always likes to show the curriculum, but nobody likes to show their records, and in this first part I believe I ended up just showing a little more of the Brazil’s x-ray that we are living right now.

Now, let’s go to the curriculum?

We were once the country of Carmen Miranda, of the banana, of the Indigenous, of the Amazon.

We were already the country of the girl from Ipanema.

We have always been the tropical country, of the exacerbated sensuality, of the “mulatas” (women, mixture between white and black people), of the butt – in my point of view I can say that we even have a work in its honor – the apotheosis of the Sambadrome in Rio de Janeiro, of the football, the samba, of the exuberant beaches, of the bossa-nova music, the “caipirinha” (a typical drink), of Pele, coffee, happy people, hospitable, friendly, warm in many ways, without speaking of our wealth including minerals – we are the only country in the world with the magnificent Imperial Topaz. The Country “giant by nature” with large nuances of color, even with “aquarela” (watercolor) by Tom Jobim! A young country, but not so young anymore! A creative country, check our Publicity; a country with one of the best TVs in the world, given our novels; a country of plenty, check our steakhouses.

2

Today we are the second country of aesthetic and plastic surgery, the second largest consumer market of Cosmetology, after all the beauty continues to prevail in the dear Brazil, we are the largest consumer of crack, a country getting more famous by corruption and political scandals generating a future instability. Brazil of the Inhotim – more culture for Brazil, which should be responsibility of the public power being held by the private power. OURS! In this second part I said I would show my positive Brazil, but I ended up including other negative aspects that I could not leave out of here. I will rectify this with more wonders of our country!

We are the largest grain producer in the world, a country with great examples of business competence, such as Embraer, Havainas – a product, nowadays, almost spread out all over the world, builders such as Andrade Gutierrez and the Odebretch performing large projects out of the country and in design companies like Ornare. We are also emerging in science and many other good things.

In short: our Brazil is a true “patchwork quilt”. It has everything to become the paradise of our dreams, a country that, more than talking about it, we can feel the delight of enjoying it.

A country that still fascinates and struggles to build its own brand!

But, as I believe that brands are never definitely ready, but are constantly being built, we’ll still get there. After all, faith is another thing that Brazilians have, and a lot of it.

I love our flag, the blue, green and yellow but thinking of it as graphic symbol, it could pass through a small redesign to help, who knows, taking into consideration include the quantum physics to leverage the progress that we strive for. The motto of the defenders of the Republic were “Love as a principle, order as a basis, progress as aim” and it was summarized in the flag in “Order and Progress”, but it ended up being graphically represented with the downward strip. How about if we change the strip to the upside? Would it contribute to transform the eternal land of the future in the land of the present? In addition, it would also be more like a beautiful smile, which is the face of our Brazil.

band

bola

Finally, the current “brand Brazil” is still like our Christ the Redeemer.

A brand that, with the arms open, welcomes with joy, a smile and cordiality everybody that arrives to my dear Brazil. Welcome to the contrasts, you can learn a lot from them. It is part of our history!

Bem-vindo! Welcome! Bienvenido! Benvenuto! Willkommen! Velkommen! Benvinguda! …

__________________

Português:

Formado em comunicação social – Publicidade e Propaganda pela Fundação Cásper Líbero, logo enveredou para o design passando por um período de estudos nos Estados Unidos em 1990 e 91 e em 1995 fundou a Merchan-design, agência de design com foco no mercado Premium e luxo desenvolvendo diversos projetos de marca e especialista em design emocional incluindo o lúdico, interativo e sensorial como marca registrada de seu trabalho. É diretor de projetos da ADP – Associação dos designers de Produto. Foi colunista (design) na revista Desktop por dois anos.

Premiado em diversos concursos nacionais e internacionais de design como o IF Design, London International Advertising Awards, Tahitian Pearl Trophy, Creativity Awards, Graphis Awards, Prêmio Colunista, Prêmio Idea Brasil, entre outros, totalizando mais de 30 projetos premiados. Em 2012 foi a agência de design do ano pela ABP – Associação Brasileira de Propaganda e ainda vencedor ouro e prata com 3 projetos. Em 2013 ganhou cinco prêmios incluindo o prêmio máximo – Platinum no A´ Design Awards & Competition na Itália. Há mais de 10 anos participa como jurado do Prêmio Fernando Pini de Excelência gráfica e de outros prêmios como o prêmio do cartaz do Museu da Casa Brasileira em 2008, House&Gift e o Idea Brasil em 2010, em 2011 integrou o júri do Prêmio Creativity Awards nos Estados Unidos e em 2012 o prêmio ABRE de embalagem.

Em seu portfólio de projetos encontram-se trabalhos realizados para os Hotéis Caesar Park e Caesar Business – Brasil, Argentina e Chile, Yael Sonia Art Jewelry – NYC, Lygase Consulting – Estados Unidos, Gmund PapierFabrik – Alemanha, Bernardinho – técnico da seleção Brasileira de Voleibol, Audi, Davene, Samuel Cirsnansck, Arjo Wiggins, Sherwin Willians tintas, H.Stern, Emar Batalha Joalheria, Art´orafo Jóias entre outros.

É também o idealizador do projeto Design Working realizado pela ADP.

Participou de algumas Bienais de Design Gráfico da ADG e da Bienal de Design em Curitiba.

No ano do Brasil na França (2005) foi convidado pela Arfan Joailliers para o lançamento do livro Krystallos, seu grande projeto de arte da joalheria autoral e gemas brasileiras.

Participou de exposições coletivas no Brasil, Estados Unidos e Itália e possui diversos de seus projetos publicados em revistas e livros nacionais e internacionais.

__________________ 

Qual é a sua impressão de uma marca chamada Brasil?

01

QUE MARCA?

A que nunca tivemos?

A que temos?

A que pensamos em ter?

A que enxergamos?

A que os estrangeiros conhecem?

A que nós mostramos?

A do sensacionalismo que a mídia internacional divulga?

A que gostaríamos de ter?

Um Brasil que foi? Um Brasil que é? Um Brasil que será? Ou nunca será?

Eu prefiro acreditar, otimismo é sempre bem-vindo, ainda seremos!

Mas acho no presente momento mostrar uma marca chamada Brasil como a almejamos, faz-se necessário muita lição de casa. É necessário mais transparência, honestidade, seriedade, respeito, menos corrupção política e até mais amor pelo Brasil!

Como brasileiro enxergo a realidade do Brasil visualizando-a de dentro para fora e o que vejo me parece negativo. Meu ponto de vista tem seu lado positivo que é também o que eu creio ser visto pelo mundo.

Acredito que tivemos grandes avanços nestes últimos quarenta anos: Os nossos carros (carroças – até a década de 90) não existem mais, manifestações pelo Brasil a fora pelas novas gerações até convocadas e divulgadas por redes sociais, um sistema informatizado de excelente desempenho na rede bancária; avanço social pelo qual 20 milhões de brasileiros saíram da classe C e D e passaram para a classe média – isso gerou um aquecimento na economia. E os retrocessos? Menos divulgados, é claro, levará o país para longe do verdadeiro Brasil que todos nós merecemos ter por direito e queremos mostrar ao mundo.

Faço uma comparação entre o Brasil e Estados Unidos. Qual seria a diferença entre os 2 países? Igualmente jovens?

Quando os ingleses partiram para os Estados Unidos foi com a intenção de colonizar e construir a sua pátria. E os portugueses? Deixo claro – gosto dos portugueses e sou descendente, mas não posso fechar os olhos ao que me foi ensinado na escola sobre a história do nosso Brasil. Os verbos usados eram: colonizar, explorar e povoar. Voltando para casa (Portugal) levando nossas riquezas como o ouro, o pau-brasil, as pedras preciosas…

Passaram-se mais de 500 anos e a herança genética da exploração continua enraizada no sistema.

Pequenos exemplos: Temos uma das telefonias mais cara do mundo em comparação com a renda per capita. E os juros do cheque especial e cartão de crédito? Na beira dos 10%? Quais países operam com estes juros abusivos? Será que encontramos isto nos países desenvolvidos? E nossos impostos?

O governo diminuiu a sonegação, mas a corrupção aumentou. O próprio governo que lutou para o fim da ditadura e pela igualdade hoje virou meio esquerda e meio direita levando à deficiência de educação, saneamento, saúde, segurança – estamos vivendo com um grande índice de criminalidade, etc., alimentando o país no corpo e na alma com Pão e Circo! Salve a bolsa família, a bolsa auxílio-reclusão…

Acredito que o Brasil sempre foi e sempre será um país de Contrastes!

Contrastes dentro da nossa flora, fauna, praias exuberantes são positivos, mas temos os negativos que creio ser necessário lutar para eliminar ou pelo menos diminuir. Continuo vendo que não existe a diminuição, mas sim a repetição. Trocam-se os atores, permanece o cenário!

Há mais de 50 anos tivemos a construção de uma cidade 100% planejada: Brasília – 50 anos em cinco! Qual a conseqüência? Início de uma inflação voraz que só melhorou a partir de 1994. Sonho caro, esse de JK!

Agora, pouco mais de 50 anos depois está se repetindo o cenário! Mais um sonho caro para os Brasileiros? Felizes por sediar a copa? Uma copa que está custando muito mais do que as últimas realizadas no mundo? E os milhões a serão gastos na manutenção destes elefantes brancos? O maracanã realmente está lindo, mas na certa passará boa parte do seu tempo descansando em silêncio gozando da forma e vida dada ao concreto. Sabemos que o futebol é endeusado no Brasil, temos que reconhecer, mas não podemos esquecer que as carências do nosso povo não são alimentadas por ele.

Com tudo isto e mais um milhão de coisas considero que ainda falar de uma marca que represente o Brasil é muito difícil e complexo, porque temos a marca hoje perceptível, não tão boa, e a marca que aspiramos um dia ter. Para construir uma marca nacional temos que ir muito além dos interesses políticos e chegar ao interesse de uma nação.

Considerando apenas os interesses políticos acontecem as construções em passo de tartaruga e a destruição na rapidez de uma implosão. Um pequeno exemplo é o PBD – Programa Brasileiro do Design, que surgiu em 1995, com nossa admirável Dorothea Werneck no MDIC- Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior no intuito de inserir o design nos setores produtivos brasileiros, mas que teve vida curta! 7 anos!

Recentemente tive o conhecimento de mais uma possível extinção, agora especificamente do governo do estado de São Paulo. A Sutaco, com mais de 30.000 artesãos corre o risco de acabar! Se isto vier a acontecer o que representaria? Cada vez mais matar a cultura do nosso país?

Aproveitando que falei em matar a cultura sob meu ponto de vista, não generalizando, vejo muito de nossa cultura sendo enterrada quando a princípio ela deveria ser mais valorizada a começar pelo nosso próprio idioma. O português, uma lingua linda e rica, tão bem expressada por grandes escritores brasileiros como Castro Alves, Cecília Meireles, Machado de Assis, Carlos Drumond de Andrade, vai sendo constantemente atacada pelo anglo-saxão.

Liquidação? O que é isto? Tá fora de moda?

Agora é OFF, SALE…

E ainda os que acreditam que é “legal” usar o by ao invés do por? Será que isto é globalização? Perda da nossa identidade? Desvalorização de nossa personalidade?

Ok, precisamos convir que o inglês por ser a segunda lingua universal influi o mundo.

Ainda vejo também um descaso com a preservação da história e da arte do Brasil, incluindo a preservação urbanistíca do país.

A falta de escola é a melhor forma de não gerar cultura no povo e acaba por isso influenciando muito na qualidade dos eleitores que elegem alguns candidatos sem nenhum preparo para gerir o destino da nação chegando aonde estamos.

E o faz de conta? Esse realmente tá na moda.

Faz um bombom que é mole dentro e vira “trufa”

Faz uma tortinha sem tampa e vira “quiche”

Faz um bolo que vai nozes e baunilha e vira  “Brownie”

Faz um bolinho que é cremoso dentro e vira “Petit Gateau”

Estes em alta no nosso País, principalmente em São Paulo.

A comida nacional encontrada em todo o Brasil é nosso arroz e feijão, nossa culinária regional é tão rica, talvéz até pela própria dimensão do nosso Pais – “somos vários dentro de um” – que acabou gerando uma gastronomía incrível de delicias.

Então porque não aumentar este intercambio de paladares entre os estados e cidades brasileiras ao invés de importar receitas internacionais?

Temos o exemplo: o cupuaçu da Amazonas, o tutu de feijão de Minas Gerais, o bolo de rolo de Pernambuco, a tapioca de Fortaleza, o acarajé da Bahia, a maniçoba do Pará, o arroz carreteiro do Rio Grande do Sul…

Enquanto em 10 restaurantes de São Paulo você encontra com facilidade o “Petit Gateau” talvez eu tenha que viajar alguns mil quilometros para encontrar um doce de cupuaçu.

Acho que todo mundo gosta de mostrar sempre o currículo mas ninguem gosta de mostrar seus prontuários e nesta primeira parte acredito que acabei mostrando um pouco mais do raio X do Brasil que estamos vivendo neste momento.

Agora vamos para o currículo?

Já fomos o país de Carmem Miranda, da banana, dos Indíos, da Amazônia.

Ja fomos o país da garota de Ipanema.

Sempre fomos o país tropical, da sensualidade exacerbada, das mulatas, do bumbum – no meu ponto de vista posso dizer que até temos uma obra em sua homenagem – a apoteose do sambódromo do Rio de Janeiro, do futebol, do samba, das praias exuberantes, da bossa-nova, da caipirinha, do Pelé, do café, do povo alegre, hospitaleiro, cordial, quente em vários sentidos sem falar de nossas riquezas incluindo as minerais – somos o único país do mundo com o magnífico Topazio Imperial. O País “gigante por natureza” com grandes nuances de cores, até com a aquarela de Tom Jobim! Um país jovem mas não mais tão jovem! Um país criativo, que o diga a nossa Publicidade, um país com uma das melhores televisões do mundo, haja vista as nossas novelas, um país da abundância, que o diga nossas churrascarias.

2

Hoje também somos o segundo país da cirurgia plástica e estética, o segundo maior mercado consumidor de cosmetologia, afinal a beleza continua imperando no querido Brasil, somos o maior consumidor de crack, um país ficando mais famoso pela corrupção e escandâlos políticos gerando uma instabilidade futura. O Brasil do Inhotim – mais cultura para o Brasil, que deveria ser responsabilidade do poder público sendo realizada pelo poder privado. NOSSA! Falei que nesta segunda parte mostraria meu Brasil positivo, mas acabei incluindo outros aspectos negativos que não poderia deixar de fora. Vou retificar isto com mais maravilhas do nosso País!

Somos o maior produtor de grãos do mundo, um país com grandes exemplos de competência empresarial, como a Embraer, a Havainas – um produto hoje quase que espalhado por todo o mundo, construtoras como Andrade Gutierrez e a Odebretch realizando grandes projetos fora do país e em design empresas como Ornare. Somos também emergentes na ciência e ainda outras tantas coisas boas.

Resumindo: nosso Brasil é uma verdadeira “colcha de retalhos”. Tem tudo para tornar-se o paraíso dos nossos sonhos, um país sobre o qual mais do que se falar a respeito podemos sentir o deleite de dele desfrutar.

Um país que ainda fascina e luta para construir sua marca!

Mas como acredito que marcas nunca estão definitivamente prontas, e sim, estão constantemente sendo construídas ainda chegaremos lá. Afinal fé é outra coisa que brasileiros tem e muita.

Eu amo nossa bandeira, o azul, o verde e o amarelo mas pensando nela como símbolo gráfico, bem que poderia passar por um pequeno redesenho para ajudar, quem sabe, levando em consideração inclusive a física quantica a alavancar o progresso que tanto almejamos. O leme dos defensores da república eram “Amor por princípio, a ordem por base, o progresso por fim” e foi resumido na bandeira em Ordem e Progresso, mas acabou sendo representada graficamente com a faixa em sentido decrescente. Que tal se mudassemos a faixa para o sentido ascendente?  Será que contribuiria para transformar o eterno país do futuro no país do presente? Além disso também ficaria mais parecido com um belo sorriso que é a cara do nosso Brasil.

band

bola

Por fim, a marca Brasil de hoje é ainda como nosso cristo redentor!

Uma marca que de braços abertos recebe com alegria, com sorriso e cordialidade à todos que chegam em meu querido Brasil. Bem-vindo aos contrastes, você pode aprender muito com eles. Faz parte da nossa história!

Seja bem-vindo! Welcome! Bienvenido! Benvenuto! Willkommen! Velkommen! Benvinguda!…

4 comments on “DAY 97. Marcelo Lopes

  1. Pingback: para os apaixonados de carro | goodply

  2. Alejandro Laguzzi
    July 23, 2013

    Excelente!!! Se todo omundo pensasse assim a nossa América seria otra.

  3. Pingback: Escolas e os Gênios. | Pescando Saber

  4. Pingback: “O futuro do luxo no Brasil está no crescimento da classe C” « blog espirito bird

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Top 10

%d bloggers like this: