100 Degrees of Brazil

100 days project

DAY 72. Paulo Granato de Araújo

foto1

Designer and a professor.

__________________ 

English: 

Paulo Granato de Araújo is a designer graduated from ESDI-RJ and a Master in Business Administration from Unisinos-RS. He is a Design professor at PUC-GO, he has worked for courses in design, publicity and advertising, and marketing administration at UFG and college Cambury. He is interested in design and brands in the context of visual identity, packaging design, industrial property, branding and entrepreneurship. Paulo is a partner of ADG and writes articles for websites called “BDxpert”, “Ideia de marketing” and “Blog do Tio Flavio/ Sou BH”. He researches about the world of brands for more than 15 years. He is a Brazilian who believes it is possible to build a better country through education, through the human growth from the force of positive attitudes.

__________________ 

What is your impression about a brand called Brazil?

The challenge of talking about Brazil is connected with the difficulty in defining the Brazilian and explaining the way he thinks. Brazil is a country that has a very large diversity in many aspects: ethnic, religious, political, sexual, cultural, musical and gastronomic; it is a country of social contrasts, of rich people, poor people and among these the ascending middle class; is a nation of Spiritualists, Catholics, Evangelicals, Jews and atheists, of yuppies, “caipiras” (hillbilly), clubbers, “funkeiros” (who enjoys a Brazilian style of music called funk), sertanejos (backcountry) rockers, lovers of samba, bossa nova and jazz music, “patricinhas” (“daddy little girls”), of “periguetes” (“easy girl”), of pious people and geeks, of fans of fast-food and naturalists. It’s, undoubtedly, a multiple country. Perhaps what defi nes Brazil is precisely this multiplicity and our incredible capability and flexibility of getting along together facing all our problems.

Given the problems that we have, there is the corruption in politics accompanied by the famous impunity, the lack of credibility in the government, in the police and in various other institutions, the precarious public services, an economy full of ups and downs, the astounding bureaucracy, the taxes and the high interest rates and the recent crisis in urban transport. At long last, social problems and of moral and ethics credibility.

We have, in our country, rich and poor young people that are accommodated, individualistic, concerned with the “here and now” and with the pleasure of their lives, that do not want to study, to read and to be prepared for anything, to believe in a dream or to follow a profession. There is an elite isolated from the problems we have and many people just do not want to help anyone. What can we expect from the future of Brazil in the hands of these people? Let us not lose hope, because not all are equal, because we also found a minority of other young people with sense of collectivity, committed to the future, that are fighting for their rights, taking advantage of their time with studies and believing that they can change this country. We do have excellent people who do a decent, honest and quality job. This is the Brazil of contrasts, a country of different opinions, postures and attitudes toward life.

It is time for change, time of reflection, of awareness. The current times of streets protests come signal the degree of indignation of our population in relation to the promises of the Government and institutions in the context of the reality we are living. There is a growing movement to claim for the human rights of citizens. The Brazilian has an enormous capacity to overcome their adversities and aim for a better future. Our values ​​must be exalted and our shortcomings and problems, as far as possible, extirpated and minimized. But all this must be done in an organized manner, with respect and dignity.

There is, in Brazil, a constant comparison to international attitudes and behaviors. “National is never good. Good is what comes from outside”. We hear and we say it a lot. The Brazilian loves his country, but he compares it with other countries in relation to institutions, living conditions and quality of products and services. When traveling abroad he faces another reality where institutions work properly and the products are cheaper and better, and when he comes back to Brazil, he complains incessantly about the situation in the country saying that this will never be improved. It is then necessary to correct this distortion and implement a change in posture. There are excellent products and services in Brazil. We need to stop comparing ourselves with others and believe that we can further expand the good things we have here.

In relation to branding, there is a great challenge in our country that is the combat between regionalism and globalization in creating Brazilian brands in the process of conquering world markets. Even wanting a brand to have a national essence and to speak of our values, it faces even greater challenges when it wants to internationalize. Many Brazilian states have, in their territories, recognized regional brands. If these brands grow and need to be known in all Brazil, they will have to adapt to the national market, to be understood and to adapt in relation to their already established competitors. Later when they decide to conquer the world, even larger adjustments will have to be made to fit the attitudes, the values ​​and the culture of the countries. These brands run the risk to adapt their naming and identity to the international language and lose their Brazilian roots. Many Brazilian brands have managed to conquer their own space in several countries, but much remains to be done in relation to the ones that plan to be launched in this challenge.

In short, the challenge of the Brazilian brands is to design a quality standard for the comparison that will exist with our own national brands and then the comparison with the parameters of quality and image that will exist in relation to international brands. For any brand wishing to conquer the world, several questions will arise, among them: What national values ​​do we want to rescue? What exactly are the values ​​that represent Brazil? How much do we want to be global and how much nationalism do we want to incorporate into our identity? Difficult questions to answer in face of so much that represents our country.

In summary, the brand Brazil essentially represents this immense patchwork quilt represented by people of different backgrounds, styles and postures living together. It also represents our incredible ability to survive and adapt to so many social contrasts. One thing that became strong in the Brazilian people is the struggle between corruption and our desire for more respect and ethics in the public sphere. We have our better known values ​​that are the spontaneity, the creativity and the joy. We should be proud of the good things we have, always trying to improve the image of our country, because we are, after all, a heroic people going to fight and face all the problems with joy and good humor. This is my impression of a brand called Brazil.

__________________

Português:

Paulo Granato de Araújo é designer formado na ESDI-RJ e mestre em Administração pela Unisinos-RS. Atua como professor de Design da PUC-GO, já trabalhou nos cursos de design, publicidade e propaganda e administração de marketing da UFG e da faculdade Cambury. Interessa-se por design e marcas no contexto da identidade visual, design de embalagens, propriedade industrial, branding e empreendedorismo. É sócio da ADG e escreve artigos para os sites BDxpert, Ideia de marketing e Blog do Tio Flavio/ Sou BH.Pesquisa o mundo das marcas há mais de 15 anos. É um brasileiro que acredita que é possível construir um país melhor através da educação, do crescimento humano da força das atitudes positivas.

__________________ 

Qual é a sua impressão de uma marca chamada Brasil?

O desafio de falar sobre o Brasil passa pela própria dificuldade em definir o brasileiro e dizer como ele pensa. O Brasil é um país que possui uma diversidade étnica, religiosa, política, sexual, cultural, musical e gastronômica muito grande;  é um país de contrastes sociais, de ricos, de pobres e no meio destes a ascendente classe média; é um nação de espíritas, católicos, evangélicos, judeus e ateus, de yuppies, caipiras, de clubbers, de funkeiros, de sertanejos, de metaleiros, de amantes do samba e da bossa-nova, de  jazzistas, de patricinhas, de periguetes, de beatas e de nerds, de adeptos do fast-food e de naturalistas. Sem sombra de dúvidas um país múltiplo. Talvez o que defina o Brasil seja exatamente essa multiplicidade e nossa incrível capacidade e flexibilidade de convivermos juntos enfrentando todos os nossos problemas.

Diante dos problemas que passamos temos a corrupção no meio político acompanhada da famosa impunidade, a falta de credibilidade no governo, na polícia e em diversas outras instituições, os serviços públicos precários, uma economia cheia de altos e baixos, a burocracia acachapante, os impostos e juros altíssimos e a recente crise no transporte urbano. Enfim, problemas sociais e de credibilidade moral e ética.

Temos em nosso país jovens ricos e pobres acomodados, individualistas, preocupados com o “aqui e o agora” e com o prazer de suas vidas, que não querem estudar, ler e se preparar para coisa alguma, acreditar  num sonho ou seguir uma profissão. Há uma elite isolada dos problemas que passamos e muita gente que não quer saber de ajudar ninguém. O que esperar do futuro do Brasil nas mãos dessas pessoas? Não percamos a esperança, pois nem todos são iguais pois encontramos também uma minoria de outros jovens com sentimento de coletividade, comprometidos com o futuro, que estão lutando por seus direitos, aproveitando seu tempo com estudos e acreditando que podem mudar esse país. Temos sim excelentes pessoas que fazem um trabalho digno, honesto e de qualidade. Este é o Brasil dos contrastes, país de diferentes opiniões, posturas e atitudes diante da vida.

É tempo de mudança, de reflexão, de tomada de consciência. Os tempos atuais dos protestos nas ruas vêm sinalizar o grau de indignação de nossa população em relação às promessas do governo e das instituições frente à realidade que estamos vivendo. Há um crescente movimento de reivindicação pelos direitos humanos dos cidadãos. O brasileiro tem enorme capacidade de superar suas adversidades e almejar um futuro melhor. Nossos valores devem ser exaltados e nossas deficiências e problemas na medida do possível, extirpadas e minimizadas. Mas tudo isso deve ser feito de forma organizada, com respeito e dignidade.

Há no Brasil uma constante comparação a atitudes e comportamentos internacionais. “O nacional nunca é bom. Bom é o que vem de fora”. Ouvimos e dizemos muito isto. O brasileiro gosta de seu país, mas sempre se compara com outros países em relação às instituições, condição de vida e qualidade de produtos e serviços. Quando viaja para o exterior se depara com outra realidade onde as instituições funcionam e os produtos são melhores e mais baratos, mas quando chega ao Brasil fica eternamente reclamando da situação do país dizendo que este nunca vai melhorar. É necessário então corrigir esta distorção e efetivarmos uma mudança de postura. Há no Brasil produtos e serviços excelentes. Precisamos parar de nos comparar com os outros e acreditar que podemos ampliar ainda mais as coisas boas que já temos aqui.

Em relação ao branding, há um grande desafio em nosso país que  é o embate entre o regionalismo e a globalização na criação de marcas brasileiras no processo de conquista de mercados mundiais. Mesmo querendo que uma marca tenha uma essência nacional e fale de nossos valores, ela se depara com desafios ainda maiores quando pretende se internacionalizar. Muitos estados brasileiros têm marcas regionais já conhecidas em seus territórios. Se estas marcas crescem e precisam ser conhecidas no Brasil inteiro, terão que se adaptar ao mercado nacional, ser compreendidas e se adaptarem em relação a suas concorrentes já estabelecidas. Posteriormente quando resolvem conquistar o mundo, adaptações ainda maiores terão que ser feitas para que se ajustem às atitudes, valores e à cultura dos países. O risco que essas marcas correm é adaptarem demais seu naming e identidade à linguagem internacional e perderem suas raízes brasileiras. Muitas marcas brasileiras já conseguiram conquistar seu espaço em vários países, mas resta ainda muito a ser feito em relação às que pretendem se lançar a esse desafio.

O desafio, enfim, das marcas brasileiras é projetar um padrão de qualidade tendo em vista a comparação que vai existir com nossas próprias marcas nacionais e depois a comparação com os parâmetros de qualidade e imagem que existirá em relação às marcas internacionais. Para qualquer marca que pretenda ganhar o mundo vão surgir diversos questionamentos, dentre os quais: Que valores queremos nacionais queremos resgatar? Quais são exatamente os valores que representam o Brasil? O quanto queremos ser globais e o quanto de nacionalismo queremos incorporar em nossa identidade? Perguntas difíceis de responder diante de tanta coisa que representa nosso país.

Em resumo, a marca Brasil essencialmente representa esta imensa colcha de retalhos representada por pessoas de diferentes origens, estilos e posturas convivendo juntas. Representa também nossa incrível capacidade de sobreviver e se adaptar frente a tantos contrastes sociais. Uma coisa que se tronou forte no povo brasileiro é o embate entre a corrupção e nosso desejo de mais respeito e ética na esfera pública. Temos nossos valores mais conhecidos que são a espontaneidade, a criatividade e a alegria. Temos que nos orgulhar do que temos de bom, procurando sempre melhorar a imagem do nosso país, pois somos, afinal de contas, um povo heróico que vai à luta e enfrenta todos os problemas com alegria e bom humor. Esta é minha impressão de uma marca chamada Brasil.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on June 23, 2013 by in Brazilians and tagged , , , , , , , .

Top 10

%d bloggers like this: